Verão: atenção redobrada às brincadeiras das crianças na piscina ou no mar é fundamental - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Verão: atenção redobrada às brincadeiras das crianças na piscina ou no mar é fundamental

Número de mortes por afogamento no litoral do Paraná em 2019, de acordo com o Corpo de Bombeiros, já superou a temporada 2017/2018
16/01/2019
Os pais e responsáveis devem acompanhar em tempo integral as crianças nas brincadeiras no mar ou nas piscinas.

Até o dia 9 de janeiro, de acordo com dados do Corpo de Bombeiros do Paraná, foram registradas sete mortes por afogamento no litoral do estado. O número é preocupante, já que no final da temporada 2018 o total de óbitos ficou em 6.

No Brasil, de acordo com informações da Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de  mortes por afogamento supera 6,5 mil casos ao ano. As crianças são as principais vítimas, sendo essa a segunda causa de morte entre meninos e meninas de um a nove anos.

Por conta das férias escolares e dos dias quentes de verão, as brincadeiras na água – sejam elas na piscina ou no mar –  são uma boa opção para a garotada. Por isso, os pais e responsáveis devem sempre acompanhar os pequenos nesses momentos. “As crianças nunca devem ficar sozinhas, mesmo que utilizem boias. O acessório de segurança também pode ser uma armadilha, já que elas conseguem tirar com facilidade”, fala o pediatra do Hospital Pequeno Príncipe, Eduardo Gubert.

Outra medida importante diz respeito à observação das normas de segurança do ambiente. Muitas bandeiras e avisos sinalizam perigos em alguns locais. “Se está lá é para obedecer”, afirma o médico.  Em caso de acidentes, é fundamental prestar os primeiros socorros com urgência. “Caso não haja ninguém apto no local, é preciso buscar ajuda. Quanto mais rápido for o processo, menos chance de sequelas”, reitera Gubert.

Mito ou verdade: nadar depois de comer faz mal?
É verdade. Praticar qualquer exercício físico logo após comer, como nadar, correr ou pedalar, pode ser prejudicial à saúde. Após uma refeição leve, por exemplo, é preciso esperar 40 minutos para entrar na água. Isso ocorre porque, para digerir os alimentos, o estômago precisa receber fluxo sanguíneo. E ao se exercitar, o organismo passa a priorizar a distribuição do sangue para os músculos.

+ Notícias

16/04/2024

COVID-19 e dengue são ameaças à saúde das crianças no Brasil

Primeiro trimestre de 2024 foi marcado pela elevação do número de casos e de mortes provocadas pelas duas doenças
11/04/2024

Renúncia fiscal transforma a vida de crianças e adolescentes

Destinação do Imposto de Renda contribui para a equidade no atendimento em saúde a pacientes vindos de todo o país
08/04/2024

Pronon e Pronas: Pequeno Príncipe contribui com consulta pública

Há dez anos, o Hospital elabora, executa e presta contas de projetos desenvolvidos dentro dos programas
07/04/2024

Dia Mundial da Saúde: “Minha Saúde, Meu Direito”

O Hospital Pequeno Príncipe desenvolve uma série de iniciativas em favor da proteção integral de meninos e meninas
02/04/2024

TDAH e autismo: quais são as semelhanças e diferenças?

A identificação da manifestação dos sintomas é crucial para o diagnóstico e tratamento adequados e individualizados
30/03/2024

Como ajudar a criança ou o adolescente com transtorno bipolar?

Por ser uma doença crônica, que não tem cura, o apoio dos pais, familiares e amigos é essencial
Ver mais