Verão: atenção redobrada às brincadeiras das crianças na piscina ou no mar é fundamental - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Verão: atenção redobrada às brincadeiras das crianças na piscina ou no mar é fundamental

Número de mortes por afogamento no litoral do Paraná em 2019, de acordo com o Corpo de Bombeiros, já superou a temporada 2017/2018
16/01/2019
Os pais e responsáveis devem acompanhar em tempo integral as crianças nas brincadeiras no mar ou nas piscinas.

Até o dia 9 de janeiro, de acordo com dados do Corpo de Bombeiros do Paraná, foram registradas sete mortes por afogamento no litoral do estado. O número é preocupante, já que no final da temporada 2018 o total de óbitos ficou em 6.

No Brasil, de acordo com informações da Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de  mortes por afogamento supera 6,5 mil casos ao ano. As crianças são as principais vítimas, sendo essa a segunda causa de morte entre meninos e meninas de um a nove anos.

Por conta das férias escolares e dos dias quentes de verão, as brincadeiras na água – sejam elas na piscina ou no mar –  são uma boa opção para a garotada. Por isso, os pais e responsáveis devem sempre acompanhar os pequenos nesses momentos. “As crianças nunca devem ficar sozinhas, mesmo que utilizem boias. O acessório de segurança também pode ser uma armadilha, já que elas conseguem tirar com facilidade”, fala o pediatra do Hospital Pequeno Príncipe, Eduardo Gubert.

Outra medida importante diz respeito à observação das normas de segurança do ambiente. Muitas bandeiras e avisos sinalizam perigos em alguns locais. “Se está lá é para obedecer”, afirma o médico.  Em caso de acidentes, é fundamental prestar os primeiros socorros com urgência. “Caso não haja ninguém apto no local, é preciso buscar ajuda. Quanto mais rápido for o processo, menos chance de sequelas”, reitera Gubert.

Mito ou verdade: nadar depois de comer faz mal?
É verdade. Praticar qualquer exercício físico logo após comer, como nadar, correr ou pedalar, pode ser prejudicial à saúde. Após uma refeição leve, por exemplo, é preciso esperar 40 minutos para entrar na água. Isso ocorre porque, para digerir os alimentos, o estômago precisa receber fluxo sanguíneo. E ao se exercitar, o organismo passa a priorizar a distribuição do sangue para os músculos.

+ Notícias

29/11/2022

Dia de Doar: renúncia fiscal tem potencial de arrecadar até R$ 8 bilhões

Data criada há 20 anos nos Estados Unidos pretende fortalecer cultura de doações no Brasil. Doações via Imposto de Renda podem ser feitas até dia 29 de dezembro
25/11/2022

Hemodinâmica: cateterismo evita cirurgias de grande porte em neonatos

O serviço do Hospital Pequeno Príncipe é referência nacional em pediatria e, em 2021, realizou 297 cateterismos
24/11/2022

Pequeno Príncipe vence o Prêmio Líderes Regionais Paraná 2022

A instituição foi premiada na categoria ESG – Responsabilidade Social. O reconhecimento destaca empresas, organizações e empresários que contribuíram para o desenvolvimento do estado
23/11/2022

Câncer pediátrico: diagnóstico precoce pode salvar até 84% dos pacientes

Referência nacional no tratamento de doenças onco-hematológicas há meio século, Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre sintomas
21/11/2022

Pequeno Príncipe atua na prevenção da resistência aos antimicrobianos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 1,3 milhão de pessoas morram a cada ano devido aos efeitos dessa resistência  
20/11/2022

Dia Mundial da Criança chama atenção à defesa de direitos

Em sua trajetória centenária, o Hospital Pequeno Príncipe desenvolve uma série de iniciativas em favor da proteção integral de meninos e meninas  
Ver mais