Albinismo é distúrbio raro que precisa de cuidado multidisciplinar

Notícias

Albinismo é distúrbio raro que precisa de cuidado multidisciplinar

A condição é definida pela ausência ou diminuição importante na produção de melanina – pigmento que determina a cor da pele, dos olhos e do cabelo
13/06/2022
albinismo
Os sinais do albinismo vão além da cor da pele e dos cabelos, pois os pacientes apresentam um grande comprometimento também da visão.

 

O albinismo é determinado de forma genética e hereditária, com ausência ou diminuição importante na produção de melanina – pigmento que define a cor da pele, dos olhos e do cabelo. A prevalência mundial é de um para 20 mil nascidos vivos, sendo considerado uma condição rara na maior parte do mundo. Neste Dia Internacional de Conscientização sobre o Albinismo, o Pequeno Príncipe chama a atenção para a importância de um cuidado multidisciplinar para essas pessoas.

A condição pode acometer todos os grupos populacionais, independentemente de gênero, etnia e classe social. É classificada nas formas sindrômica (mais rara) e não sindrômica (albinismo ocular e oculocutâneo). “O albinismo é um distúrbio genético de caráter recessivo. Ou seja, o pai e a mãe precisam ser albinos ou serem portadores do gene que confere essas características”, explica a médica geneticista Josiane de Souza, do Hospital Pequeno Príncipe.

De acordo com a especialista, a partir do momento em que os pais têm um filho albino, a chance de o segundo filho também nascer com a condição é de 25%. Se o histórico de albinismo já existe na família, é possível fazer o diagnóstico intraútero. Entretanto, na maioria dos casos, a detecção é realizada posteriormente ao nascimento, com a avaliação clínica ou molecular, por meio do estudo do DNA.

Cuidados com o albinismo

A médica destaca que os sinais do albinismo vão além da cor da pele e dos cabelos, pois os pacientes apresentam um grande comprometimento também da visão. Isso ocorre devido à falta de melanina, considerada fundamental para o desenvolvimento dos olhos e da anatomia do nervo óptico, que conecta o cérebro aos olhos.

Por ser um problema genético, ainda não há um tratamento específico. Por isso, é essencial o acompanhamento multidisciplinar assim que o distúrbio seja detectado, que pode envolver pediatra, dermatologista, oftalmologista, neurologista, geneticista e imunologista.

“O principal desafio para esses pacientes é a vigilância constante, devido ao cuidado imprescindível com a exposição solar por risco de desenvolver carcinoma e também a questão visual que pode ser prejudicada com estrabismo, miopia, hipermetropia, fotofobia, astigmatismo, entre outros, prejudicando o convívio social, na escola e no trabalho”, finaliza.

Para prevenir complicações, especialmente com a pele e os olhos, é necessário:

  • evitar exposição solar;
  • aplicar protetor solar, com fator mínimo 50, ao sair de casa;
  • evitar medicamentos que levam à fotofobia;
  • usar óculos escuros com proteção recomendados por oftalmologistas;
  • utilizar acessórios como chapéu, sombrinha e tecido com proteção solar; e
  • realizar acompanhamento com especialistas necessários.

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – Facebook, InstagramTwitterLinkedInYouTube

+ Notícias

25/11/2022

Hemodinâmica: cateterismo evita cirurgias de grande porte em neonatos

O serviço do Hospital Pequeno Príncipe é referência nacional em pediatria e, em 2021, realizou 297 cateterismos
24/11/2022

Pequeno Príncipe vence o Prêmio Líderes Regionais Paraná 2022

A instituição foi premiada na categoria ESG – Responsabilidade Social. O reconhecimento destaca empresas, organizações e empresários que contribuíram para o desenvolvimento do estado
23/11/2022

Câncer pediátrico: diagnóstico precoce pode salvar até 84% dos pacientes

Referência nacional no tratamento de doenças onco-hematológicas há meio século, Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre sintomas
21/11/2022

Pequeno Príncipe atua na prevenção da resistência aos antimicrobianos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 1,3 milhão de pessoas morram a cada ano devido aos efeitos dessa resistência  
20/11/2022

Dia Mundial da Criança chama atenção à defesa de direitos

Em sua trajetória centenária, o Hospital Pequeno Príncipe desenvolve uma série de iniciativas em favor da proteção integral de meninos e meninas  
18/11/2022

Eletrofisiologia: Pequeno Príncipe é pioneiro em pediatria e mapeamento do coração em procedimento cirúrgico

O serviço também é referência no Brasil na realização de procedimentos invasivos e colocação de dispositivos eletrônicos no público infantojuvenil
Ver mais