Adolescentes podem fazer musculação?

Notícias

Adolescentes podem fazer musculação?

Hospital Pequeno Príncipe reforça acompanhamento médico para prática saudável e segura de exercícios entre adolescentes
01/09/2023
adolescentes podem fazer musculação
Adolescentes podem fazer musculação com acompanhamento médico para uma prática saudável e segura, segundo especialistas.

É na adolescência que o organismo começa uma nova fase de desenvolvimentos – um deles é o crescimento muscular. Inspirados em personalidades, colegas ou familiares, é nesse período que alguns jovens buscam as academias. Entretanto, o espaço é rodeado de tabus e dúvidas e merece atenção para possíveis excessos. Uma pergunta em especial passou a ser comum nos consultórios médicos: adolescentes podem fazer musculação?

O ortopedista Evando José Aguila Góis, do Hospital Pequeno Príncipe, explica que nessa fase meninos e meninas nem sempre possuem quantidades suficientes de hormônios importantes para o crescimento dos músculos. Um deles é a testosterona, principal aliada da hipertrofia.

Portanto, nessa faixa etária, o uso de aparelhos com alta carga de pesos com o objetivo de ganho de massa muscular não é recomendado. Afinal, além de não melhorar esteticamente, pode haver dano ao esqueleto que ainda não está maduro suficiente para suportar as cargas. O ortopedista enfatiza também o perigo dos jovens recorrerem ao uso de esteroides anabolizantes devido à falta de sucesso em adquirir hipertrofia.

O que são os esteroides anabolizantes?

Esteroides anabolizantes são hormônios sintéticos com efeitos semelhantes aos da testosterona no ganho muscular. Eles prometem rapidez nos resultados estéticos e no rendimento esportivo, mas trazem grandes riscos à saúde. Por isso, são proibidos no Brasil.

Os principais efeitos colaterais do uso de anabolizantes são:

  • aumento de acnes;
  • queda de cabelo e calvície;
  • distúrbios do fígado;
  • comportamento agressivo;
  • aumento de pelos;
  • irregularidade menstrual;
  • diminuição dos seios; e
  • redução dos testículos.

Em adolescentes, os anabolizantes podem comprometer a estatura corporal de forma significativa. Caso os pais ou familiares percebam crescimento muscular rápido ou busca por esse tipo de produto, a orientação é procurar um médico de confiança.

Mas, afinal, adolescentes podem fazer musculação?

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e seguindo as especificidades de cada criança e adolescente, são recomendados 60 minutos de atividade física por dia. A maior parte deve ser aeróbica, como caminhada, corrida, bicicleta ou natação.

Para atividades mais intensas, como a musculação, é fundamental buscar orientação com um pediatra de confiança. Esse profissional poderá avaliar o caso e fazer o encaminhamento para especialistas em medicina do esporte, ortopedia e nutrição. Sem supervisão adequada, a musculação aumenta a chance de sobrecarga nas articulações e deformidades do esqueleto – que ainda pode estar em formação e apresentar cartilagens (partes moles dos ossos) de crescimento.

“Embora grande parte das academias estabeleça um limite por idade, o critério a ser utilizado é o estágio de desenvolvimento puberal. Quando os jovens atingem a formação dos caracteres sexuais e crescimento ósseo completos, então podem praticar exercícios com mais força”, explica o endocrinologista Rodrigo Bruel da Silveira, do Hospital Pequeno Príncipe.

Suplementação nem sempre é necessária

O endocrinologista também ressalta que pais e familiares precisam ficar atentos aos excessos. O desejo por resultados estéticos e desempenho mais rápidos pode levar à procura de suplementos alimentares – como proteínas isoladas, creatina e termogênicos. Os suplementos são extraídos dos alimentos e complementam a dieta, como a proteína do soro do leite ou da ervilha.

A necessidade da suplementação deve ser avaliada por um profissional e leva em consideração outros aspectos, como hidratação e doenças subjacentes. “Em alguns quadros, só com alimentação natural já atingimos a meta proteica sem precisar necessariamente de suplementação. A adolescência é um momento da vida muito associado ao aumento do apetite. Por isso, a substituição ou inclusão de alimentos de melhor valor nutricional já podem contribuir para o ganho de massa”, lembra o nutrólogo Leandro Izoton Lorencette, do Hospital Pequeno Príncipe.

O Pequeno Príncipe é signatário do Pacto Global desde 2019. A iniciativa presente nesse conteúdo contribui para o alcance do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS): Saúde e Bem-Estar (ODS 3).

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – FacebookInstagramTwitterLinkedIn e YouTube.

+ Notícias

18/05/2024

Aumentam registros de violência contra crianças e adolescentes

Nas últimas duas décadas, foram mais de nove mil pacientes atendidos no Hospital Pequeno Príncipe por maus-tratos; violência sexual predomina
17/05/2024

Pequeno Príncipe mobilizado pelo Rio Grande do Sul

Iniciativas vão desde teleconsultas a crianças e adolescentes em parceria com hospital gaúcho até mobilização de profissionais
15/05/2024

Como falar sobre as enchentes com as crianças?

Hospital Pequeno Príncipe destaca a importância de agir com sensibilidade e estar atento aos sinais de sofrimento manifestados pelos pequenos
13/05/2024

É normal a criança ter amigos imaginários?

A criação desses personagens é comum no desenvolvimento infantil, mas veja alguns sinais que indicam atenção a essa prática
09/05/2024

Ministra da Saúde visita área onde será o Pequeno Príncipe Norte

Nísia Trindade de Lima destacou a importância do projeto e da instituição para a saúde infantil do país
07/05/2024

Hospital se destaca em encontro internacional por ações ambientais

Instituição é a única entre as organizações de 12 países a ter um indicador em saúde ambiental 
Ver mais