Gravidez na adolescência: prevenção começa com a educação sexual

Notícias

A prevenção da gravidez na adolescência começa com a educação sexual

A alta taxa de gestação na adolescência no Brasil chama atenção para Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência, entre 1 e 8 de fevereiro
04/02/2022
gravidez na adolescência
A gravidez na adolescência é uma condição que eleva a prevalência de complicações de saúde para a mãe, para o feto e para o recém-nascido.

 

A taxa de gravidez na adolescência no Brasil é alta. De acordo com o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), somente em 2019 foram 419.252 bebês nascidos de adolescentes de 15 a 19 anos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a gestação nessa fase é uma condição que eleva a prevalência de complicações de saúde para a mãe, para o feto e para o recém-nascido, além de agravar problemas de ordem afetiva e emocional, e impactar em suas escolhas de futuro. Diante desse cenário, a educação sexual desde a infância é imprescindível para conter o avanço da gravidez de adolescentes.

A especialista em Medicina do Adolescente Darci Vieira da Silva Bonetto, do Hospital Pequeno Príncipe, realça que a sexualidade deve ser trabalhada desde a infância, com a orientação e esclarecimento das dúvidas, de acordo com a fase que a criança ou o adolescente está vivendo. “As pessoas confundem muito a sexualidade com sexo. O sexo está relacionado aos órgãos genitais e faz parte da sexualidade, que é algo muito maior, e envolve todos os órgãos dos sentidos, e dimensões psicológicas e sociais, como o afeto, o amor, o respeito, a compreensão, entre outros”, explica a médica.

gravidez na adolescência
A taxa de gestação na adolescência no Brasil é alta e preocupante.

Os estímulos hormonais, o início mais cedo da menarca, a pressão social, a falta de diálogo e a curiosidade são alguns fatores que contribuem para a atividade sexual precoce, despreparada e desprotegida, que pode resultar em uma gravidez inoportuna ou não desejada. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 27,5% dos escolares do nono ano do ensino fundamental, do sexo feminino, já iniciaram a atividade sexual. “A falta de responsabilidade e desinformação sobre a sexualidade, somados às questões emocionais e psicossociais, assim como à falta de limites e à erotização por meio da mídia, contribui para o desconhecimento das consequências. Por isso, a importância de um ambiente acolhedor e educativo sobre sexualidade e gênero tanto na família, como na escola e com os profissionais de saúde, para adolescentes de ambos os sexos”, esclarece.

A médica reforça a necessidade do diálogo, que deve acontecer ao longo da vida, sem tabus e preconceitos, para que os adolescentes tenham as informações necessárias e exerçam sua sexualidade com responsabilidade, de forma saudável e no tempo certo. “Se não existe o diálogo, os filhos também não vão perguntar. É muito difícil que um adolescente compartilhe algo com os pais ou responsáveis se não existe uma troca. Quando os pais dão a abertura, os filhos são bem informados e, consequentemente, mais conscientes sobre o início da vida sexual com segurança.”

Educação é o caminho para vida sexual saudável e responsável

Um dos mais importantes fatores de prevenção da gravidez precoce é a educação. Educação sexual integrada, entre família, escola e profissionais de saúde, faz parte da promoção do bem-estar de adolescentes ao realçar a importância do comportamento sexual responsável, o respeito pelo outro, a igualdade e a equidade de gênero, assim como a proteção da gravidez e de infecções sexualmente transmissíveis.

“A adolescência é a fase dos sonhos, descobertas, fantasias e curiosidades. Os jovens precisam ter um projeto de vida, para prestarem atenção aos seus atos e evitar que uma gravidez interrompa seus sonhos. Vemos que a maioria das adolescentes grávidas abandonam a escola e perdem oportunidades no futuro”, orienta a médica.

O Pequeno Príncipe apoia o movimento de proteção, respeito e empoderamento da adolescência na perspectiva de contribuir para uma formação adequada, escolhas conscientes e responsáveis, descobertas de desejos e sonhos e protagonismo quanto ao seu destino. “Nosso papel é informar, dialogar, acolher e apoiar suas escolhas dando-lhes segurança e proteção”, completa a diretora-executiva do Hospital, Ety Cristina Forte Carneiro.

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – Facebook, InstagramTwitterLinkedInYouTube

+ Notícias

10/07/2024

Por que é importante não reprimir o choro?

Hospital Pequeno Príncipe dá dicas de como criar um ambiente seguro e acolhedor para crianças e adolescentes expressarem as emoções
09/07/2024

Sessão de cinema diverte pacientes da hemodiálise

Crianças e adolescentes atendidos no Hospital Pequeno Príncipe saíram do espaço com o coração aquecido e memórias inesquecíveis
08/07/2024

Nota de solidariedade ao hospital pediátrico bombardeado em Kiev

Pequeno Príncipe manifesta a dor pela violência cometida contra pessoas inocentes, dentre elas crianças doentes e hospitalizadas
04/07/2024

Tratamento de efluentes: Hospital e Sanepar assinam parceria

Iniciativa pioneira no país vai testar diferentes maneiras de reduzir antibióticos e combater o surgimento de superbactérias no esgoto hospitalar
03/07/2024

Como o celular e as redes sociais afetam os adolescentes?

Hospital Pequeno Príncipe dá dicas sobre como promover a utilização equilibrada e responsável dessas tecnologias
02/07/2024

Dia do Rei Pelé: Pequeno Príncipe comemora criação de lei nacional

Proposta foi liderada pela instituição, que mantém o único projeto social formalmente apadrinhado pelo maior jogador de futebol de todos os tempos: o Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe
Ver mais