Miocardiopatia

Miocardiopatia

O que é?

Miocardiopatia é quando a criança tem um músculo cardíaco dilatado além do normal, espesso ou rígido. A doença pode afetar as câmaras inferiores do coração (ventrículos) ou as superiores (átrios) e é considerada grave, causando danos aos tecidos e ao músculo cardíaco.

O coração pode ficar tão fraco que não consegue bombear o sangue corretamente, causando insuficiência cardíaca ou batimentos cardíacos irregulares (arritmias).

Existem diferentes tipos da doença, e a miocardiopatia dilatada é a forma mais comum. O músculo cardíaco fica aumentado e alongado, o coração enfraquece e não tem força para bombear o sangue corretamente para o corpo.

A miocardiopatia hipertrófica é quando o músculo do coração fica mais espesso do que o normal, bloqueando parte do fluxo sanguíneo para o resto do corpo. Pode estar associada a uma alteração genética, familiar, e a uma doença materna, como diabetes.

A miocardiopatia restritiva é menos comum e ocorre quando o músculo cardíaco dos ventrículos se torna muito rígido, impedindo a entrada de sangue. Pode estar associada à pressão arterial pulmonar elevada.

Já a miocardiopatia não compactada é quando o músculo cardíaco parece “esponjoso”, deixando o ritmo cardíaco anormal.

Quando acontece?

Algumas miocardiopatias são mais comuns em crianças e outras mais raras, mas em todas as formas da doença podem ocorrer ritmos cardíacos anormais e às vezes letais. Ela pode estar associada a uma infecção viral, a uma condição metabólica, à exposição a toxinas e a outras razões que levam ao mau funcionamento do coração (veja mais em Causas e fatores de risco).

Algumas miocardiopatias são hereditárias, o que significa que são transmitidas pelos pais. No tipo hipertrófico, metade das crianças com a doença tem pais ou irmãos com algum espessamento do músculo do ventrículo esquerdo ou da parede ventricular.

Causas e fatores de risco

  • Genética (alteração no material genético durante a formação do bebê)
  • Infecção viral do coração (miocardite)
  • Desordem metabólica
  • Problemas das artérias coronárias (presentes no nascimento ou adquiridos)
  • Pressão alta
  • Problemas de ritmo cardíaco
  • Defeitos cardíacos congênitos (presentes no nascimento)
  • Medicamentos para tratamentos específicos de outras doenças (como alguns tipos presentes na quimioterapia)

Sintomas possíveis da miocardiopatia

  • Inchaço nas extremidades ou ao redor dos olhos
  • Respiração pesada e rápida durante a alimentação (em bebês)
  • Sudorese (suor excessivo, especialmente durante a alimentação)
  • Falta de apetite e ganho lento de peso
  • Baixa resistência a exercícios
  • Dor abdominal
  • Dor no peito
  • Tosse
  • Desmaio e/ou tontura
  • Aparência pálida
  • Taquicardia (batimentos cardíacos acelerados)
  • Sopro cardíaco

Atenção! Pacientes com miocardiopatia não compactada geralmente não apresentam sintomas. Normalmente, os sinais da doença só aparecem durante o ecocardiograma – que, muitas vezes, é feito por outros motivos. Por isso, é importante manter visitas regulares ao pediatra.

Diagnóstico

Se o médico suspeitar de miocardiopatia, ele poderá fazer vários exames para ajudar no diagnóstico, como exame físico, exames de sangue, radiografia do tórax, eletrocardiograma, teste de esforço, ecocardiograma, Holter e cateterismo cardíaco. Biópsias do músculo cardíaco também são úteis nessa avaliação, e são solicitadas pelos cardiologistas quando é necessário.

Tratamento para a miocardiopatia

Embora os médicos ainda não tenham encontrado uma cura para a miocardiopatia, existem maneiras de ajudar os pacientes a controlar essa doença. Se a enfermidade for do tipo dilatada, existem medicamentos para melhorar a pressão arterial e a função cardíaca.

No tipo hipertrófico, os pacientes podem precisar de medicamentos para diminuir a frequência cardíaca. O desfibrilador implantável pode ser útil para interromper os ritmos anormais do coração.

Na miocardiopatia restritiva, as crianças apresentam alto risco de coágulos sanguíneos dentro do coração, e medicamentos anticoagulantes podem ser necessários para evitar um transplante cardíaco precoce.

No tipo não compactado da doença, pode haver taquicardia (batimentos cardíacos acelerados), formação de coágulos e arritmia (batimentos cardíacos irregulares), e o paciente pode necessitar de tratamento anticoagulante e inotrópico (para aumentar o tônus e as contrações do músculo cardíaco).

Em todas as variáveis, se o caso for muito grave, o transplante de coração é uma opção que precisa ser avaliada pelo cardiologista pediátrico.

Quando devo procurar o Hospital Pequeno Príncipe?

As miocardiopatias podem melhorar com o tempo (como no caso da dilatada), mas, em algumas situações, elas pioram e o transplante cardíaco pode ser necessário. O tempo, em todos os casos, é precioso. Em situações mais graves, os pacientes estão sob risco de parada cardíaca súbita.

Fale com o médico e procure o Pequeno Príncipe se tiver suspeitas de uma doença cardíaca. O Hospital conta com um serviço de cardiologia pediátrica, que faz o acompanhamento com exames de sangue, ecocardiograma e cuidados específicos quando o transplante cardíaco é necessário, com atendimento humanizado e de excelência.

Clique aqui e conheça os nossos especialistas.

Acompanhe também as redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade!
FacebookInstagramTwitterLinkedInYouTube e TikTok.

Ver menos