Leucemias - Hospital Pequeno Príncipe

Leucemias

O que são?
Leucemia é um conjunto de cânceres que atingem os glóbulos brancos do sangue e comprometem o sistema de defesa do organismo. Nas leucemias, além de perder a função de defesa do organismo, os glóbulos brancos doentes, produzidos descontroladamente, reduzem o espaço na medula óssea para a fabricação das outras células que compõem o sangue.

Esses glóbulos brancos podem não se desenvolver completamente e caem na corrente sanguínea antes de estarem preparados para exercerem suas funções, causando infecções, anemia, hemorragias, entre outros sintomas.

Tipos de leucemia

  • Leucemia aguda: quando as células malignas se multiplicam rapidamente e causam uma doença agressiva. São as mais comuns em crianças.
  • Leucemia crônica: quando a transformação maligna se dá em células-tronco mais maduras. Nesse caso, a doença costuma evoluir
    mais lentamente, com complicações que podem levar meses ou anos para ocorrerem. São raras em crianças.
  • Leucemia linfoide, linfocítica ou linfoblástica: afeta as células linfoides. É mais frequente em crianças.
  • Leucemia mieloide ou mieloblástica: afeta as células mieloides. É mais comum em adultos.

Quando acontecem?
As leucemias podem desenvolver-se em crianças e adultos, homens e mulheres. A doença é o tipo de câncer mais comum entre crianças e adolescentes no mundo, representando 30% de todos os tumores que ocorrem antes dos 15 anos de idade e 20% abaixo dos 20 anos.

Causas

  • Radiação e/ou quimioterapia
  • Distúrbios genéticos (por exemplo, síndrome de Down)
  • Exposições a alguns produtos químicos (por exemplo, benzeno)
  • Histórico familiar

Sintomas possíveis

  • Fraqueza e cansaço
  • Anemia
  • Sangramentos no nariz e nas gengivas
  • Manchas roxas e vermelhas na pele
  • Gânglios inchados
  • Febre
  • Suor noturno
  • Dores nos ossos e nas articulações
  • Infecções

Dica para os pais ou responsáveis: as leucemias crônicas de evolução lenta podem não apresentar sintomas. Leve a criança ou o adolescente regularmente ao pediatra para exames de rotina.

Diagnóstico
O médico da criança ou do adolescente pode diagnosticar a leucemia por meio do hemograma. Se houver alterações indicativas da doença, o mielograma permite a análise direta do local afetado, para identificar o tipo de célula anormal que impede a fabricação dos outros elementos do sangue. A biópsia da medula óssea é o exame definitivo para a confirmação do diagnóstico de uma leucemia.

Quando devo procurar o Hospital Pequeno Príncipe?
Fique atento aos sinais que o corpo costuma dar de que algo não vai bem. Se notar que a criança ou o adolescente tem algum sintoma diferente, mesmo que discreto, procure um médico do Pequeno Príncipe. O Hospital conta com especialistas para atender meninos e meninas de todas as idades com excelência técnico-científica e cuidado humanizado.

Tratamento
A leucemia linfocítica aguda é a mais comum na infância, e cerca de 90% dos pacientes com esse tipo da doença que estão em tratamento chegam à cura.

O tratamento para leucemia começa com uma etapa chamada de indução da remissão. O objetivo é eliminar as células doentes, denominadas blastos, que são muito sensíveis à quimioterapia. Depois disso, o objetivo é combater possíveis focos que restaram da doença.

Além da quimioterapia, podem ser utilizadas transfusões de sangue como complemento. Outro procedimento utilizado nos últimos anos é a terapia-alvo, que utiliza medicamentos específicos para as células doentes. O tratamento tem mostrado eficácia para alguns tipos da doença, como a leucemia mieloide crônica.

Pacientes que não respondem bem a essas técnicas têm a opção do transplante de medula óssea. Nesse caso, pode ser necessária a radioterapia, raramente usada no tratamento de leucemias, mas que pode ser indicada antes de transplantes.

Dica para os pais ou responsáveis: como o tratamento de leucemia pode debilitar a imunidade da criança ou do adolescente, é recomendado pedir a orientação ao médico do paciente sobre vacinas, já que algumas são contraindicadas nesses casos.

Clique aqui e conheça os nossos especialistas.

Ver menos