Comunicação interatrial ou interventricular

Comunicação interatrial ou interventricular

O que são?

O coração tem quatro cavidades: dois átrios (na parte superior) e dois ventrículos (inferiores), direito e esquerdo. Essas quatro câmaras são separadas por uma parede chamada de septo.

Quando esse septo não está devidamente fechado e forma uma abertura entre o átrio direito e o esquerdo, acontece a comunicação interatrial (CIA). Se a falha é no fechamento do septo da porção inferior do coração, a doença é chamada de comunicação interventricular (CIV).

Quando existe uma das enfermidades, um lado acaba trabalhando até quatro vezes mais do que o outro. A consequência é que, com o passar do tempo, há uma sobrecarga do coração e do pulmão, com hipertensão pulmonar.

Quando acontecem?

A comunicação interatrial e a comunicação interventricular são doenças congênitas (a criança nasce com elas). Elas estão entre as doenças cardiológicas mais frequentes.

Muitos defeitos nos septos interatriais ou interventriculares se fecham sozinhos, antes da criança completar 2 anos de vida. Estima-se que aproximadamente 25% dos defeitos desapareçam e que 40% diminuam de tamanho até os 6 anos de idade.

Causas e fatores de risco

  • Alteração no coração do bebê no início da gestação
  • Outras doenças do coração
  • Síndromes genéticas
  • Outras doenças extracardíacas (fora do coração)

 Sintomas possíveis

  • Cansaço e falta de ar durante as mamadas
  • Dificuldade para ganhar peso
  • Dificuldade para respirar
  • Respiração rápida
  • Desnutrição
  • Traqueobronquite e pneumonia
  • Taquicardia (batimentos cardíacos acelerados)

Diagnóstico

As duas enfermidades podem ser diagnosticadas ainda na barriga da mãe. Quanto antes o diagnóstico for feito, mais qualidade de vida a criança terá, com o acompanhamento e o tratamento adequados.

Para identificá-las após o nascimento, o médico fará a análise do histórico clínico, exame físico e exames mais precisos, como eletrocardiograma, radiografia de tórax e ecocardiograma.

Tratamento

O objetivo do tratamento é diminuir os sintomas causados pelas comunicações entre os dois átrios ou os dois ventrículos, como sobrecarga do coração e congestão nos pulmões.

Dependendo do caso, pode haver necessidade de medicação, o que, em geral, melhora muito os sintomas. Se o defeito for grande, muitas vezes será necessária a correção cirúrgica no primeiro ano de vida. Se o defeito for pequeno e não se fechar sozinho nos primeiros anos de vida, também poderá ser necessária uma intervenção cirúrgica.

As comunicações interatriais ou interventriculares podem ser tratadas por cateterismo cardíaco, quando um cateter (dispositivo médico em forma de tubo) é levado até o coração e uma pequena prótese é colocada para fechar o defeito. É simples e pouco invasivo, e a criança muitas vezes tem alta em poucos dias.

O importante é que a CIA e a CIV têm cura e a criança pode ter uma vida saudável, desde que faça o diagnóstico e o tratamento corretos.

Quando devo procurar o Hospital Pequeno Príncipe?

Com frequência, as crianças com comunicação interatrial ou interventricular podem não sentir nenhum sintoma quando o defeito é pequeno. Mas podem apresentar bastante cansaço, falta de ar e dificuldade em se alimentar se o defeito for grande, levando a um desenvolvimento atrasado para a idade.

Antes que os sintomas afetem a qualidade de vida da criança ou do adolescente, os pais ou responsáveis devem procurar um médico. No Pequeno Príncipe você encontra uma equipe treinada para um diagnóstico rápido e correto e a melhor orientação e acompanhamento para a criança e a família.

Clique aqui e conheça os nossos especialistas.

Ver menos