Transplante de Medula Óssea

O transplante de células-tronco hematopoiéticas – muitas vezes conhecido como transplante de medula óssea – é um procedimento de alta complexidade indicado como parte do tratamento de leucemias, linfomas e tumores sólidos (neuroblastoma e tumores cerebrais, por exemplo). No entanto, várias doenças não malignas (aplasia de medula, anemia falciforme e talassemia) e doenças raras (anemia de Fanconi, imunodeficiências congênitas e erros inatos do metabolismo) podem ser curadas por meio do TMO. Além disso, essas células-tronco saudáveis carregam enzimas que podem curar algumas doenças neurológicas, como as adrenoleucodistrofias, doença de Krabbe e mucopolissacaridoses.

O transplante de células hematopoiéticas – que podem ser encontradas na medula óssea, no sangue periférico ou no cordão umbilical – tem como objetivo substituir a medula doente do paciente por uma saudável. Para isso, é feita uma infusão de células-tronco formadoras de sangue, que podem ser do próprio paciente ou de um doador (familiar ou não). Quando as células-tronco infundidas são do próprio paciente, o procedimento é chamado de transplante autólogo. Quando elas são provenientes de um outro doador, é feito o transplante alogênico.

O Serviço de Transplante de Medula Óssea do Hospital Pequeno Príncipe é um serviço de excelência, reconhecido por sua liderança no tratamento de crianças e adolescentes que têm uma variedade de doenças malignas e não malignas. Conta com dez leitos e disponibiliza o procedimento a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), de convênios e particulares. O Hospital recebe anualmente cerca de 120 novos casos de meninos e meninas com câncer, vindos de todo o país. Cerca de 50% desses casos são de leucemia, sendo que o transplante é indicado para aproximadamente um terço desses pacientes.

Referência no Brasil
O Serviço de TMO do Pequeno Príncipe é referência no Brasil no que se refere ao tratamento de doenças malignas e no atendimento de pacientes com falências medulares adquiridas e hereditárias, imunodeficiências primárias e doenças raras. Também é considerado um dos maiores centros de transplante pediátrico da América Latina e realiza, em média, 60 transplantes por ano, com vasta experiência em transplantes feitos em crianças de pouca idade, bem como em pacientes com doenças genéticas raras.

O atendimento especializado no Hospital é realizado por médicos com formação em transplante pediátrico, e o serviço conta com o suporte diário de profissionais de outras especialidades, como infectologistas, intensivistas, nefrologistas, cardiologistas, neurologistas, endocrinologistas, dermatologistas e hemoterapeuta. O trabalho é desenvolvido em conjunto com uma equipe multidisciplinar, formada por profissionais da enfermagem, psicólogos, nutricionistas, assistentes sociais, fisioterapeutas, dentistas e farmacêuticos. O serviço também atua em parceria com as unidades de terapia intensiva do Pequeno Príncipe, o Laboratório Genômico e o Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe, por exemplo. Esse trabalho em equipe garante um atendimento de excelência e faz toda a diferença no tratamento dos pacientes e nos resultados dos transplantes.

Passo a passo do TMO no Pequeno Príncipe
1 –
O médico de origem encaminha um relatório médico por e-mail para o Serviço de Transplante de Medula Óssea do Pequeno Príncipe (tmo@hpp.org.br).
2 – O caso de cada paciente é discutido com a equipe transplantadora, que decide sobre a indicação e o melhor momento para a realização do transplante.
3 – O paciente realiza a coleta para exames de histocompatibilidade, para definir qual será o doador utilizado.
4 – O doador pode ser um familiar compatível ou um voluntário que seja cadastrado em bancos de doação, nacional ou internacional (doador não aparentado).

O que vai definir o prognóstico do paciente é a situação pré-transplante, o tipo da doença e a fase da enfermidade.

5 – Após a decisão sobre a indicação do transplante e a escolha do doador, a data do procedimento é marcada.
6 – O primeiro passo é a colocação de um cateter e, geralmente, o paciente recebe um tratamento com quimioterapia e/ou radioterapia. Isso ocorre cerca de sete a dez dias antes do transplante, com o paciente já internado no Hospital.
7 – O dia da infusão é muito especial. O transplante ocorre no próprio quarto da criança ou do adolescente, e o paciente é rodeado de amor dos seus pais ou responsáveis e do cuidado da equipe do Pequeno Príncipe. O procedimento é muito parecido com uma transfusão de sangue.
8 – Após o transplante, o paciente precisa usar diversas medicações e então começa a contagem até a pega da medula e o início de uma nova vida. Em geral, isso demora 30 dias.
9 – O paciente fica internado no Hospital por algumas semanas e depois recebe alta para acompanhamento ambulatorial até completar 100 dias.
10 – Após esse período, o paciente pode retornar para a sua cidade de origem e precisa voltar ao Hospital para consultas e exames de rotina, conforme definido pela equipe médica.

O transplante em números (2019)

  • 64 transplantes realizados, sendo que 84% foram realizados em pacientes com doenças oncológicas (ou malignas) e 16% em crianças e adolescentes com doenças não malignas (imunodeficiências, doenças metabólicas e falências medulares, por exemplo)

Histórico

  • A Unidade de Transplante de Medula Óssea do Hospital Pequeno Príncipe foi inaugurada em 2011.
  • O primeiro transplante autólogo foi realizado em 11 de abril de 2011. Em fevereiro de 2013, foi feito o primeiro transplante utilizando um doador aparentado compatível em um paciente com leucemia linfoblástica aguda. Já em abril de 2014, ocorreu o primeiro transplante haploidêntico em um paciente com anemia aplástica; e, em abril de 2017, o primeiro transplante não aparentado em um paciente também com leucemia linfoblástica aguda.
  • Em 2016, foi inaugurada a ampliação da Unidade de Transplante de Medula Óssea, que passou a ter dez leitos. Assim, o Pequeno Príncipe consolidou-se como um dos maiores centros exclusivamente pediátricos para TMO do país.

Mais informações – SUS, convênios e particular
Telefone: (41) 3310-1124
Atendimento: de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h
Endereço: Av. Silva Jardim, 1.677 (térreo)
E-mail: tmo@hpp.org.br

Equipe médica
Diretora do Programa de Transplante de Células-Tronco Hematopoiéticas:
Dra. Carmem Bonfim (CRM-PR 11616) – Clique aqui e consulte o currículo.
Responsável técnica pelo Serviço de TMO: Dra. Cilmara Cristina Kuwahara (CRM-PR 23300) – Clique aqui e consulte o currículo.

Médicas
Dra. Adriana Mello Rodrigues
Dra. Carolina Martins de Almeida Peixoto
Dra. Fernanda Moreira de Lara Benini
Dra. Gisele Loth
Dra. Polliany Roberta Dorini Pelegrina

Faça sua doação