Responsabilidade Social

O Hospital Pequeno Príncipe trabalha diariamente para oferecer às crianças e adolescentes um futuro melhor. Faz isso num cenário em que é cada vez mais clara a consciência da interdependência entre sociedade civil, poder público e iniciativa privada. Ações sinérgicas visando o desenvolvimento social pleno tornam-se mais evidentes na medida em que governo, organizações do Terceiro Setor e empresas passam a desenvolver mecanismos formais de diálogo e colaboração.

Ao estabelecer parcerias com o 1º, 2º e 3º setores da sociedade, o Hospital Pequeno Príncipe busca melhorar e ampliar o atendimento oferecido hoje às crianças e adolescentes que necessitam de tratamento de saúde, bem como levar à comunidade informações relevantes sobre o tema da saúde.

O foco principal dessas ações é a busca da redução da mortalidade infantil, a oferta do atendimento ambulatorial e hospitalar de excelência, a educação em saúde e a promoção dos direitos da criança e do adolescente. São objetivos que se encontram alinhados aos grandes desafios que o Brasil tem que enfrentar.

A articulação entre um órgão governamental ou uma empresa em apoio aos projetos do Pequeno Príncipe, viabiliza a concretização de políticas públicas ou investimento social privado, plenamente alinhadas com as necessidades da cidade, estado e país.

Nossos projetos caracterizam-se pela grande capacidade transformadora e pelo potencial de multiplicação, muitos já estão sistematizados para facilitar sua replicação, isso é tecnologia social. Cria-se assim uma rede que fortalece valores como a igualdade social e a co-responsabilidade.

Responsabilidade socioambiental

O Complexo Pequeno Príncipe adota a responsabilidade socioambiental em suas iniciativas e desenvolve diversas ações com essa orientação.

Para o Pequeno Príncipe, a excelência nas questões socioambientais, numa concepção ampla, é parte inseparável da sua missão de garantir o direito à vida. Concentra esforços em cinco eixos voltados para o meio ambiente: gerenciamento de resíduos, redução do consumo de energia, redução do consumo de água, eliminação do uso de mercúrio e sensibilização.

O Pequeno Príncipe investe em projetos de conscientização, visando harmonização na convivência de colaboradores, pacientes e familiares.

responsabilidade-social-1

responsabilidade-social-2

Programa Mercúrio Livre

O Complexo Pequeno Príncipe lançou em 2011 o Programa Mercúrio Livre, que objetiva transformar todas as suas unidades em ambientes livres de mercúrio até o fim de 2012.

Primeiro Hospital do Paraná a lançar um projeto visando banir o uso de mercúrio em suas dependências, se antecipa aos objetivos fixados pela iniciativa global liderada pela coalizão internacional Saúde sem Dano em conjunto com a Organização Mundial da Saúde (OMS), visando reduzir em 70% a demanda por termômetros clínicos e tensiômetros com mercúrio até 2017.

O objetivo é criar as condições para que o setor da saúde seja menos impactante ao meio ambiente, sem comprometer a segurança e o cuidado com o paciente. Pretende chegar a esse resultado por meio da substituição de medidores e equipamentos que utilizem o mercúrio por alternativas mais seguras e acessíveis.

Medidas adotadas:
    • identificação de usos e fontes do mercúrio em todas as suas frentes de atuação;
    • substituição imediata desses produtos por alternativas livres do metal;
    • desenvolvimento e a implantação de uma política de compras livre de mercúrio;
    • implementação de um programa de segregação para os resíduos de mercúrio enquanto se coloca em prática a sua substituição;
    • orientações à comunidade e aos profissionais de saúde sobre os riscos que o mercúrio acarreta à saúde.

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM)

O Complexo Pequeno Príncipe participa da campanha pelos
“8 Jeitos de Mudar o Mundo”
e teve seu trabalho de divulgação dos ODM premiado em 2006, ao mesmo tempo em que procura dar sua contribuição particular para que cada um dos Objetivos seja atingido.

POBREZA E A FOME

A maioria dos pacientes do Hospital Pequeno Príncipe é de baixa renda (pelo menos 50%) e muitos vêm de outras cidades. Para garantir a permanência dessas famílias no Hospital, cada acompanhante recebe diariamente quatro refeições. Em 2010, foram
ofertadas 123.563 mil refeições aos acompanhantes
dos pacientes.

ATINGIR O ENSINO BÁSICO UNIVERSAL

Muitas crianças atendidas pelo Complexo Pequeno Príncipe têm severas restrições de saúde que as impedem de frequentar regularmente a escola. Para garantir o direito à Educação, o Complexo tem o setor de Educação e Cultura, que mantém um programa de acompanhamento escolar e atividades culturais para todas as crianças que passam pelo Hospital, proporcionando o ingresso, o regresso e a permanência na escola. Várias
crianças são alfabetizadas durante o internamento
.

PROMOVER A IGUALDADE ENTRE OS SEXOS E A AUTONOMIA DAS MULHERES

São ofertados cursos e treinamentos aos funcionários do Pequeno Príncipe (85% são mulheres), acompanhantes dos pacientes internados (a maioria são mulheres) e usuárias da Casa de Apoio (local onde as crianças que precisam ser submetidas a exames ficam alojadas com um responsável do sexo feminino). Essa estratégia colabora na
valorização e no fortalecimento do papel da mulher na família e na sociedade
.

REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL

Aliando excelência técnica científica ao atendimento humanizado, o Hospital Pequeno Príncipe
reduziu praticamente à metade a taxa de mortalidade nos últimos 10 anos
, apesar do aumento do nível de complexidade dos atendimentos e do número de atendimentos ter aumentado em 20% no período. Grande parte das atividades de pesquisas está relacionada ao diagnóstico precoce e já salvam vidas, como é o caso da pesquisa com o DNA do Câncer do Córtex Adrenal. O conhecimento gerado motivo o estabelecimento de políticas públicas e campanhas junto à comunidade.

MELHORAR A SAÚDE MATERNA

Entre os benefícios oferecidos pelo Hospital Pequeno Príncipe às mulheres que nele trabalham (85% do seu quadro de funcionários), estão
exames ginecológicos, orientação sobre câncer de mama e planejamento familiar
. O Complexo também investe em educação e capacitação das colaboradoras, o que se reflete positivamente na sua saúde e na de sua família.

COMBATER O HIV/AIDS, A MALÁRIA E OUTRAS DOENÇAS

Além do atendimento a portadores do vírus HIV/AIDS, o Hospital e a Faculdades Pequeno Príncipe desenvolvem atividades de mobilização social para conscientizar a comunidade sobre a
prevenção da doença
. O Pequeno Príncipe também é
referência no atendimento às crianças e adolescentes vítimas de violência sexual
.

GARANTIR A SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

O
Plano de Gerenciamento de Resíduos
do Hospital Pequeno Príncipe garante a separação e destino correto de todo o lixo produzido internamente. O Hospital iniciou também, no final de 2009, um programa de eficiência energética, por meio de um convênio de cooperação técnica com a Copel. Em 2010 o Hospital substituiu 90% da iluminação e alguns equipamentos por outros mais econômicos, gerando uma
redução de 30% no consumo de energia
. A sustentabilidade ambiental também é tema do
trabalhado educativo
que o Hospital desenvolve com pacientes e seus familiares, dentro do Programa de Educação e Cultura do Hospital.

ESTABELECER UMA PARCERIA MUNDIAL PARA O DESENVOLVIMENTO

O Complexo Pequeno Príncipe tem construído importantes alianças intersetoriais, nacionais e internacionais, criando uma rede voltada para o desenvolvimento. O Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe firmou parcerias com
diversas instituições internacionais para viabilizar pesquisas científicas cujos resultados beneficiarão crianças de todo o mundo
. Na mesma linha atuam a Faculdades Pequeno Príncipe e o Hospital Pequeno Príncipe, oferecendo cursos e estágios na área de saúde com a participação de estudantes de outros países.

responsabilidade-social-3

Faça sua doação