O Imposto de Renda pode transformar vidas - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

O Imposto de Renda pode transformar vidas

Contribuintes que declaram por formulário completo podem destinar até 6% do IR – a pagar ou restituir – em prol de instituições como o Hospital Pequeno Príncipe. O prazo final é 28 de dezembro
30/11/2018

De uma maneira simples e prática, parte do Imposto de Renda – a pagar ou a restituir – pode contribuir com a saúde de crianças e adolescentes de todo Brasil. Se você quer fazer do acerto de contas com o “leão” uma possibilidade de fazer o bem, vale lembrar que pessoas físicas podem, desde que declarem por formulário completo, destinar até 6% do IR em benefício de organizações filantrópicas e outras iniciativas. Para pessoas jurídicas, o percentual é de 9% da declaração por lucro real a seis projetos distintos, sendo 1% ao Fundo da Infância e Adolescência (FIA). O prazo final é 28 de dezembro.

Para quem pensa em contribuir, mas ainda tem muitas dúvidas sobre o assunto,  uma boa dica é o “Guia Sobre Benefícios Fiscais nas Doações para os Fundos e Programas”, disponibilizado para download gratuitamente no site da Receita Federal. Bastante desconhecida ainda por boa parte dos contribuintes, essa possibilidade de doação tornou-se fundamental para os trabalhos de instituições como o Hospital Pequeno Príncipe, que há quase um século se dedica à assistência e pesquisa em prol de crianças e adolescentes de todo Brasil.

Com a grave crise vivida por hospitais filantrópicos e o subfinanciamento verificado na área da saúde, o apoio de toda sociedade é fundamental para a manutenção dos trabalhos. Atualmente, apenas 25% do orçamento do Pequeno Príncipe é proveniente do governo, sendo que a instituição destina cerca de 70% da sua capacidade de atendimento para o Sistema Único de Saúde (SUS).

O apoio de toda sociedade é fundamental para a manutenção das atividades do Hospital Pequeno Príncipe.

“Contamos com a sensibilidade do cidadão que tem a oportunidade de destinar parte do imposto devido para apoiar a causa do direito à vida e à saúde das crianças. O processo é simples e permite ao doador acompanhar como o recurso é utilizado. E para nós as doações pelo Imposto de Renda são de fundamental importância. Sabemos que há um potencial de pelo menos R$ 5 bilhões em imposto que não é doado. Esse valor transformaria milhares de vidas na saúde ”, reforça a diretora executiva da instituição, Ety Cristina Forte Carneiro.

Em 2017, a captação representou 17% da receita do Pequeno Príncipe, o maior hospital pediátrico do Brasil. “Sem os recursos captados, nós teríamos fechado com um prejuízo de R$ 25 milhões e não teríamos condições de oferecer a estrutura que temos e todo o processo de modernização que estamos investindo”, complementa a diretora.

A instituição tem utilizado a Renúncia Fiscal há mais de uma década e ajudou a propagar esse mecanismo para muitas empresas e cidadãos. Para auxiliar possíveis doadores, desenvolveu um site próprio – www.doepequenoprincipe.org.br – e conta ainda com o apoio de personalidades e empresários de destaque no cenário nacional.

Na prática
Um dos apoiadores do Pequeno Príncipe é Luis Stuhlberger, gestor do Fundo Verde. Importante nome da área econômica brasileira, o profissional lembra que a instituição é um exemplo de eficiência que pode inspirar o setor público e multiplicar boas práticas. “Apenas cerca de 2% do potencial de Renúncia permitido é utilizado. É uma adesão muito baixa para algo que é simples de ser feito e dá resultado. Digo isto por experiência própria. Neste ano, escolha sua causa e destine parte do seu Imposto de Renda Devido a organizações sérias”, comenta.

O comprometimento de empresas e cidadãos transforma vidas. Aos 6 meses, Jalisson Lian Duarte da Costa, de Itapejara d’Oeste, cidade do interior do Paraná, apresentou um problema nos rins e foi transferido para tratamento de hemodiálise no Hospital Pequeno Príncipe. “Quando chegamos aqui, já me senti bem. É um hospital de criança, parece um lugar encantado. Depois de 3 anos e 9 meses fazendo hemodiálise, meu filho entrou na fila de transplante de rim e, aos 4 anos, fez o procedimento. Nesse período, usamos a Casa de Apoio, o Família Participante, tudo pelo SUS. Nunca gastei um centavo aqui, nem com os medicamentos, que são muito caros. Hoje, aos 8 anos, a qualidade de vida dele é ótima, é uma criança ativa. O atendimento no Hospital é muito bom. Se não fosse o Pequeno Príncipe, o Jalisson nem estaria mais aqui com a gente”, explica Joice Duarte, mãe do garoto.

Jalisson, de Itapejara d’Oeste, interior do Paraná: depois do sucesso do transplante de rim, realizado no Pequeno Príncipe, o garoto, hoje com 8 anos, tem uma rotina como a de qualquer outra criança da sua idade.

+ Notícias

09/12/2022

Vai viajar com a família? Confira a carteira de vacinação!

Após decidir o destino das férias, é fundamental checar com antecedência a carteirinha de imunização, principalmente de crianças e adolescentes
07/12/2022

5 dicas para manter uma alimentação saudável nas férias

O Hospital Pequeno Príncipe relembra a importância de cuidar de alguns hábitos nesta época do ano
06/12/2022

Espetáculo de Natal vai alterar o trânsito no entorno do Hospital

As apresentações do “Papai Noel na Sumiçolândia” acontecerão nos dias 9, 10 e 11 de dezembro, às 21h, na fachada histórica da instituição
05/12/2022

Serviço de Ortopedia do Pequeno Príncipe é referência em tratamento de doenças e síndromes complexas

Em 2021, o serviço realizou 17.249 procedimentos cirúrgicos, além de 13.040 consultas ambulatoriais
02/12/2022

Mitos e verdades sobre convulsões

Distúrbio que provoca grande apreensão nos pais, as convulsões precisam de acompanhamento médico
29/11/2022

Dia de Doar: renúncia fiscal tem potencial de arrecadar até R$ 8 bilhões

Data criada há 20 anos nos Estados Unidos pretende fortalecer cultura de doações no Brasil. Doações via Imposto de Renda podem ser feitas até dia 29 de dezembro
Ver mais