Diagnóstico precoce aumenta as chances de cura do câncer infantojuvenil - Complexo Pequeno Príncipe

Complexo, Doe, Faculdades, Gols Pela Vida, Hospital, Instituto de Pesquisa

Diagnóstico precoce aumenta as chances de cura do câncer infantojuvenil

Por conta do Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil (23/11), o Hospital Pequeno Príncipe, referência há mais de cinco décadas em oncopediatria, reforça a importância da observação de sintomas que exijam a avaliação médica, sobretudo nesta fase de pandemia

Neste 23 de novembro, Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil, o Hospital Pequeno Príncipe, referência em oncopediatria há mais de cinco décadas, reforça a importância do diagnóstico precoce, especialmente nesta fase de pandemia. O medo e as incertezas provocadas pelo coronavírus não podem colocar em risco a saúde dos nossos meninos e meninas.

Em linhas gerais, todo e qualquer sintoma estranho deve ser levado a sério pelos pais, responsáveis e cuidadores, que devem procurar imediatamente um pediatra. O INCA estima que, em 2020, sejam diagnosticados no Brasil 8.460 novos casos de câncer infantojuvenil. “O diagnóstico precoce é muito importante para o tratamento e é o caminho que leva à cura. E quando se fala sobre casos de câncer que acometem pacientes que fazem parte do público infantojuvenil, ele é essencial. Crianças e adolescentes respondem melhor ao tratamento com quimioterapia. Por isso, é importante que a doença seja descoberta o quanto antes”, explica a médica e chefe do Setor de Oncologia do Hospital Pequeno Príncipe, Flora Mitie Watanabe.

A médica e chefe do Setor de Oncologia do Hospital Pequeno Príncipe, Flora Mitie Watanabe: “O diagnóstico precoce é muito importante para o tratamento e é o caminho que leva à cura”, fala.

A leucemia é o tipo mais comum de câncer em crianças, seguido de tumores do sistema nervoso central e linfomas. Vale lembrar que a doença é a primeira causa de morte entre meninos e meninas (de 0 a 19 anos) no Brasil. Se descoberto precocemente, as chances de cura são de até 80%.

Além da excelência técnico-científica do tratamento oferecido, no Pequeno Príncipe os pacientes recebem cuidado humanizado, multidisciplinar e podem contar com o apoio de profissionais de outras especialidades oferecidas na instituição. Dessa forma, recebem um atendimento integral, que favorece ainda mais a recuperação. “Temos importantes avanços no diagnóstico com exames de imagem (ressonância magnética) e o diagnóstico molecular com o Laboratório Genômico. A integração da pesquisa com a prática clínica, por meio da participação do Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe, é outro diferencial”, completa Flora Mitie Watanabe.Com 101 anos de atividades, o Pequeno Príncipe é um dos principais centros de tratamento oncopediátrico do país e o mais antigo e conceituado do Paraná. Altamente especializado no tratamento de doenças hemato-oncológicas, o Hospital foi responsável, em 2019, por 1.093 internações e 7.775 atendimentos ambulatoriais, sendo que 80% dos pacientes são atendidos pelo SUS.

  • Fique atento aos sintomas:

Isabeli Baron comemora a vitória contra a doença

Duas fases da guerreira Isabeli: vitória contra o câncer.

Por 2 anos e 8 meses, Isabeli Barbosa Baron, 9 anos, de Campina Grande do Sul, cidade da região metropolitana de Curitiba, enfrentou uma batalha contra a leucemia linfoblástica aguda (LLA), o câncer mais comum na infância. Ao lado dos pais e com o suporte do Hospital Pequeno Príncipe, em outubro deste ano ela pôde comemorar a vitória nessa incansável batalha pela cura e pela vida.

Edicleia Barbosa dos Santos reforça a garra da filha nesse período. “Ser mãe da Isabeli é se sentir abençoada, pois ela me ensinou ser forte igual a ela. Foi desgastante o tratamento e os últimos anos têm sido muito complicados, porque tivemos que ter todos os cuidados com a alimentação por causa da imunidade baixa”, contou.

O apoio da família é fundamental.

A família também reforça a importância do apoio que receberam do Pequeno Príncipe durante esse tempo. “O Hospital trouxe muita força nas nossas vidas e representou uma segunda casa. Fomos muito bem acolhidos”, completou a mãe.

O tratamento de Isabeli, realizado pelo SUS, foi um sucesso e os pais destacam os diferenciais do maior hospital pediátrico do Brasil nessa fase. “O Programa Família Participante foi excelente, pois nos ajudou nas nossas necessidades quando ela estava internada. O que mais nos marcou foram os palhaços que visitavam os quartos de internamento: eles traziam alegria para nós nos momentos difíceis”, destacou Tiago Baron.

Para outras famílias que estão enfrentando problemas semelhantes, os Baron deixam um recado importante de incentivo: “A mensagem que deixamos para os pais é que não desistam e não percam a fé. É um dia de cada vez. O que mais ajuda nessas horas é ter paciência e união”, reiterou Tiago.

A equipe do Pequeno Príncipe fez a diferença no tratamento de Isabeli.

+ Notícias

A vacinação é a principal ferramenta de combate à pandemia

Em um vídeo especial, a médica pediatra Heloisa Ihle Garcia Giamberardino, coordenadora do Serviço de Epidemiologia e Controle de Infecção Hospitalar do Pequeno Príncipe e responsável pelo Centro de Vacinas da instituição, reforça a importância dos imunizantes liberados pelo Anvisa no combate à COVID-19

Faça sua doação