Dia das Crianças: brincar é coisa séria - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Dia das Crianças: brincar é coisa séria

Nas brincadeiras, meninos e meninas conseguem se expressar, transmitem o que sentem e trabalham registros que marcam suas vidas. Além disso, estabelecem vínculos afetivos que são fundamentais para o seu desenvolvimento
12/10/2017

Os vínculos afetivos são essenciais para o desenvolvimento das crianças. Nas brincadeiras, as relações estabelecidas são fundamentais, pois é nesse momento que os meninos e meninas conseguem se expressar, transmitem o que sentem e trabalham registros que marcam suas vidas. Neste Dia das Crianças, 12 de outubro, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância do brincar.

“Toda hora é hora de brincar”, afirma a psicóloga e coordenadora do Setor de Voluntariado da instituição, Rita Lous. Para ela, as brincadeiras devem ocorrer no momento do banho, da alimentação, dos estudos, entre outros. É algo que precisa ser incorporado na rotina das pessoas. “Brincar é coisa séria”, destaca.

A ação merece ainda mais atenção na Primeira Infância, período que compreende da gestação até os seis primeiros anos da criança. Nessa fase, ocorre a maior parte do desenvolvimento cerebral dos meninos e meninas. É quando eles absorvem com mais intensidade as informações e criam os principais vínculos afetivos. As experiências vivenciadas nessa fase são relevantes para o restante da vida.

Por isso, os cuidadores devem estimular e estar verdadeiramente presentes durante as brincadeiras, mas nunca limitar ou impor preconceitos. “Eles devem participar desse momento com verdade. As crianças sentem quando fazemos várias coisas ao mesmo tempo ou quando fazemos algo por obrigação. É necessário deixar que eles soltem a imaginação. Além disso, os cuidadores não devem limitar. Não existe brinquedo de menina ou de menino, por exemplo”, relata a psicóloga.

O brincar também não tem a ver com gênero ou classe social. “Ninguém precisa comprar brinquedos para brincar. Apesar de existirem inovações muito bacanas nessa área, uma simples caixa de papelão pode se tornar uma brincadeira superdivertida”, aponta a profissional.

O Brincar no Pequeno Príncipe
Com quase 100 anos de história, o Hospital Pequeno Príncipe traz o brincar na sua essência. Atualmente, a instituição conta com duas brinquedotecas e recreação nos ambulatórios e enfermarias todos os dias. Com a colaboração de voluntários, promove diversas atividades recreativas e também tem disponível um sistema de empréstimo de brinquedos por telefone, como um delivery. Apresentações de corais, teatro, dança, contação de histórias e shows de mágica também reforçam as atividades já desenvolvidas no Hospital.

Números do Voluntariado de 2016
Delivery de brinquedos (solicitações por telefone) – 13.062 atendimentos
Voluntários nos ambulatórios – 978 visitas e 22.744 atendimentos
Voluntários nas enfermarias – 1.885 visitas e 30.288 atendimentos
Brinquedoteca – 1.417 aberturas (pelo menos duas vezes por dia, todos os dias) e 12.223 pacientes participantes
38 apresentações de 262 voluntários de talento, com um público de 2.478 pessoas
1.415 voluntários e 22.066 horas de recreação

+ Notícias

23/05/2022

Voluntários do Pequeno Príncipe retornam às atividades presenciais

A retomada foi possível com todos os cuidados que o momento de pandemia do coronavírus ainda exige
19/05/2022

Representantes do CEDCA visitam o Centro de Reabilitação e Convivência Pequeno Príncipe

A unidade, que foi reestruturada, atende a diferentes tipos de deficiências de forma integral e humanizada
18/05/2022

Em um ano, Hospital atende mais de 600 crianças e adolescentes vítimas de violência

Em comparação com o ano anterior, o aumento de casos foi de 11%; mais da metade das ocorrências aconteceu na residência da própria criança
17/05/2022

Pequeno Príncipe inicia campanha televisiva para captação de recursos

A iniciativa busca dar mais visibilidade para a causa da saúde infantojuvenil, além de contribuir para a sustentabilidade econômico-financeira da instituição
16/05/2022

Atualização do calendário vacinal pode prevenir casos de SRAG no público infantojuvenil

Diversas doenças respiratórias podem evoluir para a síndrome aguda grave. O Pequeno Príncipe alerta que as medidas de prevenção, como a imunização, precisam ser mantidas
15/05/2022

Sintomas da mucopolissacaridose aparecem na primeira infância

A doença rara é genética e neurodegenerativa, que evolui com sintomas multissistêmicos
Ver mais