Criança com autismo tem direito à escola regular - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Criança com autismo tem direito à escola regular

A inclusão de meninos e meninas diagnosticadas com TEA nas instituições de ensino regulares já é lei. Apesar disso, o despreparo de alguns educadores em recebê-las é evidente
16/08/2016

O ingresso de uma criança diagnosticada com Transtorno do Espectro Autista (TEA) na escola regular é um direito garantido por lei, conforme o capítulo V da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), que aborda a educação especial. A Constituição Federal, a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, o Estatuto da Criança e do Adolescente e o Plano Viver Sem Limites também asseguram o acesso à escola regular. Apesar disso, a efetiva integração do estudante à vida em sociedade nem sempre ocorre.

DSC_0085
Ana Carolina Lopes Venâncio palestrando durante a 1.ª Jornada de Estudos – Projeto Utoppia com o tema autismo

Os motivos para a não aceitação de alunos com TEA são inúmeros, grande parte deles fundamentados no despreparo das escolas em recebê-los. “Acredito que o nosso papel é educar as crianças, todas elas, sem justificativas. O profissional deve superar os seus medos e se preparar para receber essas crianças”, destaca a especialista em Educação Especial e doutoranda em Educação, Ana Carolina Lopes Venâncio, que também é professora do Programa de Escolarização Hospitalar do Hospital Pequeno Príncipe.

Preconceito
Aproximadamente 1% da população mundial – ou uma em cada 68 crianças – apresenta TEA, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Apesar disso, para Ana Venâncio, o preconceito ainda é grande. “É preciso tirar o tema da invisibilidade. A inclusão de crianças com autismo é uma decisão amparada legalmente, precisamos adequar o ensino para todos”, afirma.

Formação do pedagogo
Para Ana Carolina, o despreparo das escolas começa na formação dos professores. “Infelizmente, grande parte dos cursos de pedagogia contam com apenas um semestre no currículo escolar dedicado à educação especial. É um tempo muito curto para lidar com um tema tão complexo”, aponta.

Investir nas habilidades
Na educação de crianças diagnosticadas com TEA, as instruções devem ser “curtas e claras”, destaca a educadora. “Nós precisamos trabalhar com as habilidades e interesses das crianças, sem superexpor as dificuldades. Só assim, de fato, poderemos resolver os problemas no desenvolvimento desses meninos e meninas”, reitera.

+ Notícias

12/08/2022

Vacinação contra a COVID-19 é fundamental para proteção de crianças de 3 a 5 anos

Especialista do Pequeno Príncipe, maior hospital exclusivamente pediátrico do Brasil, reforça pontos positivos para os responsáveis que adotam essa medida de prevenção
10/08/2022

“Nosso meio ambiente”: pacientes do Projeto Integra participam de ação ambiental

A iniciativa, realizada na sede que abrigará o Pequeno Príncipe Norte, proporcionou a experiência de explorar o vasto universo do ecossistema presente no local
08/08/2022

Colesterol pode ser prevenido com consumo de alimentos saudáveis

O Hospital Pequeno Príncipe ressalta a importância da adoção de bons hábitos para melhor qualidade de vida desde a infância
05/08/2022

Cirurgia de correção de malformação rara é realizada no Pequeno Príncipe

A reparação da extrofia de cloaca foi feita com a técnica de Kelley, considerada inovadora
04/08/2022

Cientistas estão desenvolvendo gel bucal para tratar mucosite

Principal reação adversa da quimioterapia, a mucosite oral causa intensa dor e pode ser porta de entrada para outras infecções
02/08/2022

Doenças raras é tema de mesa-redonda organizada pelo Pequeno Príncipe

A iniciativa fez parte da programação da 74.ª reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC)
Ver mais