Amizade se transforma em força para as mães da UTI Neonatal

Notícias

Amizade se transforma em força para as mães da UTI Neonatal

Conheça a história de duas mulheres que criaram vínculos de afeto durante o período de internamento de seus filhos no Pequeno Príncipe
20/07/2022
amizade
A amizade entre Viviane e Beatriz começou durante o período de internamento de seus filhos na UTI Neonatal do Pequeno Príncipe.

 

Segundo o dicionário, a palavra amizade quer dizer “sentimento de afeição, estima, ternura, que une uma pessoa a outra sem implicar, necessariamente, a existência de laços de família”. E essa é a representação da conexão de Viviane Bernardo Carlota e Beatriz Cardoso Martins, que começou durante o período de internamento de seus filhos na UTI Neonatal do Hospital Pequeno Príncipe.

A aproximação das duas foi fortalecida ao longo da permanência e regada com a esperança oferecida pelas outras mães, que estavam havia mais tempo acompanhando os filhos. É uma grande rede de solidariedade de desconhecidas que passam a ser o ombro amigo de um dia para outro.

“No momento que eu estava entrando na UTI Neonatal com meu filho, fui acolhida por outras mães. Hoje lembro disso e me dá forças para fazer o mesmo com quem chega depois. Sempre falamos que somos uma família, porque estamos juntas todos os dias, em todos os momentos”, conta Viviane, mãe do paciente Lucca Bernardo Rodrigues, de 5 meses de vida.

Neste Dia do Amigo, comemorado em 20 de julho, a instituição reforça a importância dos laços afetivos e da participação dos pais e responsáveis em todo o processo de tratamento e acompanhamento das crianças. Há mais de três décadas, o Programa Família Participante garante aos pacientes internados o direito de permanecer com um acompanhante ao seu lado durante toda fase de internamento, oferecendo também a estrutura necessária para a permanência no ambiente hospitalar.

A amizade entre as mães de UTI nasce, em sua grande maioria, pela identificação entre elas no momento de angústia que estão enfrentando, de acordo com a psicóloga Angelita Wisnieski da Silva, do Hospital Pequeno Príncipe. “É importante lembrar que essas mulheres chegam à UTI enquanto vivenciam sua fase de puerpério, um período de fragilidade em que a mãe precisa de um amparo externo. Em casa, elas têm ajuda do parceiro, das mães, de tias, mas quando estão na unidade elas estão privadas dessa rede de apoio. Por isso, é natural elas fortalecerem vínculos, porque essas mulheres podem estar vivenciando uma condição de desamparo semelhante”, explica.

paciente UTI
A redução do estresse e da ansiedade dos pais tem impacto positivo também na criança.

E esse vínculo não apresenta benefícios só para as mães. A redução do estresse e da ansiedade dos pais tem impacto positivo na criança – que, desde os primeiros meses de vida, é sensível ao que acontece à sua volta. “Entendemos que a organização interna e externa da mãe também faz com que a criança se sinta mais segura para seguir evoluindo no quadro de saúde. Se o ambiente e as pessoas que cuidam da criança estão agitadas, a possibilidade de o bebê ficar ansioso é maior. Agora, se a mãe estiver presente e tranquila, se puder oferecer colo e companhia com serenidade, a tendência é que a criança fique mais calma e confortável”, detalha a psicóloga.

O suporte da equipe multiprofissional, que cuida dos bebês e das mães, e o amparo construído na unidade fazem com que a união de famílias se torne combustível para vencer o momento difícil. “O relacionamento com outras mães é muito importante, porque uma vai passando segurança e força para a outra. É um vínculo forte que, mesmo criado em pouco tempo, com certeza vai perdurar fora do Hospital”, conta Beatriz, mãe do paciente Guilherme Martins, de 4 meses.

UTI Neonatal

Referência nacional no atendimento de bebês prematuros, a Unidade de Terapia Intensiva Neonatal do Hospital Pequeno Príncipe é voltada exclusivamente para bebês recém-nascidos a termo ou prematuros que precisam de cuidados intensivos e tratamentos diferenciados. O serviço recebe crianças de diversas maternidades e hospitais que necessitam de intervenção cirúrgica ou atendimento para diagnosticar doenças de alta complexidade, além de malformações.

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – Facebook, InstagramTwitterLinkedInYouTube

+ Notícias

13/07/2024

ECA: ampliação de leis fortalece proteção contra violência

Entre as atualizações, está a inclusão de bullying e cyberbullying no Código Penal. Neste Dia do ECA, o Hospital Pequeno Príncipe chama a atenção para dados alarmantes destes tipos de violências
10/07/2024

Por que é importante não reprimir o choro?

Hospital Pequeno Príncipe dá dicas de como criar um ambiente seguro e acolhedor para crianças e adolescentes expressarem as emoções
09/07/2024

Sessão de cinema diverte pacientes da hemodiálise

Crianças e adolescentes atendidos no Hospital Pequeno Príncipe saíram do espaço com o coração aquecido e memórias inesquecíveis
08/07/2024

Nota de solidariedade ao hospital pediátrico bombardeado em Kiev

Pequeno Príncipe manifesta a dor pela violência cometida contra pessoas inocentes, dentre elas crianças doentes e hospitalizadas
04/07/2024

Tratamento de efluentes: Hospital e Sanepar assinam parceria

Iniciativa pioneira no país vai testar diferentes maneiras de reduzir antibióticos e combater o surgimento de superbactérias no esgoto hospitalar
03/07/2024

Como o celular e as redes sociais afetam os adolescentes?

Hospital Pequeno Príncipe dá dicas sobre como promover a utilização equilibrada e responsável dessas tecnologias
Ver mais