Sobre o Complexo Pequeno Príncipe - Complexo Pequeno Príncipe

Complexo Pequeno Príncipe

Complexo Pequeno Príncipe

Sobre o Complexo Pequeno Príncipe

Mais de um século de amor à criança e com profissionais engajados na busca pela excelência na assistência, no ensino e na pesquisa como parte da mobilização pela vida das crianças e dos adolescentes

Foto antiga: Hospital Cesar Pernetta

Há mais de 100 anos, o Complexo Pequeno Príncipe trabalha pela saúde, pelos direitos e pela vida das crianças e dos adolescentes. O maior hospital pediátrico do país, que destina até 70% da sua capacidade de atendimento ao Sistema Único de Saúde (SUS), é referência em procedimentos de alta e de média complexidade, como transplantes de órgãos e de medula óssea, que beneficiam meninos e meninas de todo o país. A instituição oferece 32 especialidades médicas, que contam com equipes multiprofissionais especializadas. É um patrimônio do Paraná e do Brasil.

Com 370 leitos, sendo 68 em UTIs, o Hospital Pequeno Príncipe realiza mais de 21 mil cirurgias por ano. Dispõe de uma estrutura única pensada exclusivamente para oferecer o melhor, que alia tecnologia e humanização em prol do bem-estar de todos. 

A inovação tecnológica anda de mãos dadas com a inovação social. A instituição foi pioneira também em humanização e precursora de políticas públicas com ações como o Programa Família Participante, que trouxe os familiares para acompanhar os pacientes durante o tratamento, ainda nos anos de 1980, antes da regulamentação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Trouxe também, de forma inédita, para os quartos e corredores do Hospital, a educação e a cultura, garantindo assim direitos fundamentais à formação dos meninos e meninas que chegam à instituição.

Para assegurar seu pleno funcionamento e atender garotos e garotas de todo país, o Hospital Pequeno Príncipe depende do apoio de toda sociedade e de parceiros das mais diferentes áreas. Colabore você também. Descubra como fazer parte dessa rede em prol da saúde infantojuvenil: clique aqui.

Unindo assistência, ensino e pesquisa, o Complexo Pequeno Príncipe completa essa tríade virtuosa com outras duas unidades: Faculdades Pequeno Príncipe e Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe.

Assistência, ensino e pesquisa: atuando de forma integrada para salvar vidas

Integração: Assistência, Ensino e Pesquisa
Integração: Assistência, Ensino e Pesquisa

O grande marco da nova fase do Complexo Pequeno Príncipe, baseada no aprimoramento contínuo da qualidade tecnocientífica da assistência, mantendo os princípios da humanização, deu-se em 2000, com a realização do Congresso Criança. Em 2005,  2010 e 2015 foram realizadas novas edições do Congresso Criança –  Congresso Internacional de Especialidades Pediátricas, maior evento de multiespecialidades em pediatria realizado no país.

Em 2003, o compromisso com democratização e multiplicação do conhecimento presente na história do Pequeno Príncipe evoluiu para a criação da Faculdades Pequeno Príncipe. A iniciativa veio para fortalecer as atividades de ensino, presentes, de forma precursora, desde 1935, no Hospital de Crianças de Curitiba. A unidade educacional conta com 5 cursos de graduação (Medicina, Biomedicina, Psicologia, Enfermagem e Farmácia), além de pós-graduação, mestrado e doutorado.

Em seguida, no ano de 2005, o apoio de Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, estimulou as condições iniciais para a concretização da unidade de pesquisa do Complexo, com a missão de aumentar o percentual de cura de doenças complexas da criança e do adolescente. O Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe foi inaugurado em 2006 e no final de 2010 tinha, junto com a área de Pós-Graduação da Faculdades Pequeno Príncipe e o Hospital Pequeno Príncipe, mais de 50 pesquisas em desenvolvimento.

Completa-se, assim,  um ciclo estratégico de formalização das novas unidades do Complexo que, por conta dos investimentos feitos na pesquisa e no ensino, tem permitido fortalecer e ampliar a atuação na assistência à saúde integral das crianças e dos jovens. Como diz o professor e cientista Sérgio Mascarenhas em seu depoimento: “Sem a tríade ensino, pesquisa e extensão, nenhuma instituição em qualquer área, seja da ciência, tecnologia ou inovação, poderá realizar uma ação realmente completa e com os sinergismos da inter e transdisciplinaridade necessários no mundo globalizado atual”. O Pequeno Príncipe está hoje firmemente assentado sobre esse tripé e em condições de ampliar o papel que, há tantos anos, vem desempenhando na área da saúde da criança e do adolescente no Brasil.

Faça sua doação