Assinatura do Convênio para criação do novo hospital

Complexo, Novo Campus

Pequeno Príncipe dá início a novo Centro Integrado de Saúde

Assinatura de protocolo de intenções é primeiro passo para instalação de um novo hospital e pronto-socorro, além da transferência de instituto de pesquisa e faculdade para o Bacacheri

Assinatura de protocolo de intenções é primeiro passo para instalação de um novo hospital e pronto-socorro, além da transferência de instituto de pesquisa e faculdade para o Bacacheri

O Complexo Pequeno Príncipe, o Governo do Estado e a Prefeitura de Curitiba assinaram na tarde desta quinta-feira (dia 6 de setembro) um protocolo de intenções para a instalação de um grande centro integrado de Saúde no bairro Bacacherri, zona norte da capital. O documento representa o primeiro passo concreto do projeto que prevê a instalação de um hospital, um pronto-socorro, uma unidade ambulatorial, além de unidades de ensino, pesquisa e cultura.

O local vai abrigar uma unidade ambulatorial do Pequeno Príncipe, além das novas sedes do Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe e das Faculdades Pequeno Príncipe. No espaço também há o projeto de construir um Centro Cultural para abrigar atividades culturais a toda a comunidade de Curitiba. Além disso, o Governo do Estado e Prefeitura pretendem construir um novo hospital adulto e pediátrico especializado em trauma e um pronto-socorro (adulto e pediátrico), entre outros possíveis equipamentos de interesse comum. A ideia é que este novo hospital seja de médio porte e abrigue um centro de saúde onde o paciente encontre tudo o que necessita – desde consultas, exames e, quando necessário, cirurgias e internamentos.

“Esta parceria representa a união de diversos atores para proporcionar um atendimento mais humano na saúde pública. O projeto é a possibilidade de atender um grande número de pessoas. E atender bem, com um equipamento deste porte e qualificação. É uma parceria que vai possibilitar um grande avanço na área da saúde para todos os paranaenses ”, afirmou o governador Beto Richa durante a assinatura do protocolo de intenções. O documento estabelece a criação de um grupo de estudos com representantes do Governo, Prefeitura e Complexo Pequeno Príncipe para elaboração em 180 dias do plano de implantação do projeto (o que inclui, por exemplo, apontar fontes financiadoras, prazos, dimensionamento técnico e viabilidade jurídica).

Além do governador, assinaram o protocolo o prefeito Luciano Ducci; o secretário estadual de Saúde, Renê Santos; a procuradora-geral de Curitiba, Claudine Camargo Bettes; a secretária municipal de Saúde, Eliane Chomatas; a presidente da Associação de Proteção à Infância Dr. Raul Carneiro (mantenedora do Hospital Pequeno Príncipe), Ety Gonçalves Forte; e a presidente da Associação Eunice Weaver e diretora-executiva do Hospital Pequeno Príncipe, Ety Cristina Forte Carneiro.

O prefeito Luciano Ducci explica que implantar uma unidade na região norte da capital é estratégico para atender diversos bairros de Curitiba localizados nesta região, além de cidades da Região Metropolitana como Almirante Tamandaré, Colombo e Pinhais. O local tem fácil acesso pela linha verde, o que facilita o deslocamento para os atendimentos de emergência feitos pelo SAMU na região. “A unidade vai reduzir o estrangulamento nos atendimentos de urgência e emergência das unidades de Curitiba. Além disso, teremos um centro de especialidades resolutivo, onde o paciente vai para uma consulta e já saí do local com exames feitos e problema de saúde encaminhado”, justifica Ducci.

“Esta parceria é um grande momento histórico na área da saúde, um sonho que se concretiza. Ter um centro de Assistência, Ensino e Pesquisa que vai trabalhar em busca de saúde humanizada e com qualidade é um grande avanço na garantia do direito à vida”, afirmou Ety Cristina Forte Carneiro, presidente da Associação Eunice Weaver e diretora-executiva do Hospital Pequeno Príncipe.

O objetivo é criar um espaço especialmente dedicado às múltiplas faces da Saúde, abrangendo desde o atendimento ambulatorial (com o hospital) até ensino e pesquisa (com a faculdade e o instituto), história e cultura (com o centro cultural). A base de todo o projeto está no alinhamento das políticas públicas que contemplem as necessidades na área de saúde da capital e promovam a melhoria da qualidade de vida da população.

Segundo José Álvaro Carneiro, diretor-corporativo do Pequeno Príncipe, a estimativa inicial de custo do centro – caso sejam implementados todos os equipamentos até agora previstos – chega a R$ 100 milhões, com geração de aproximadamente três mil empregos.

ÁREA E HISTÓRICO

O futuro centro será instalado numa área de aproximadamente 165 mil metros quadrados, localizada ao lado da Base Aérea do Bacacheri. O terreno pertence à Associação Eunice Weaver (filantrópica) e foi cedido em comodato ao Complexo Pequeno Príncipe por 20 anos (renováveis por mais 20).

O espaço deverá se chamar Câmpus Integrado em Saúde Juril Carnasciali-Pequeno Príncipe, em homenagem à presidente da Associação Eunice Weaver entre 1971 e 2012. Também jornalista e ativista social, Juril faleceu em 28 de junho deste ano.

As negociações que culminaram na cessão da área (equivalente a 20 campos de futebol) começaram em 2009 e foram concluídas em 2011, após aprovação inicial (por parte da associação) dos planos para o local. Após essa decisão e poucos meses antes de morrer, Juril convidou a diretora-executiva do Hospital Pequeno Príncipe, Ety Cristina, para substituí-la na presidência da Associação Eunice Weaver.

A instituição recebeu o terreno, em doação feita pelo governo, em 1941. Ali funcionou por anos um Educandário para atender filhos de portadores de hanseníase. Eunice Weaver, paulista de São Manuel, foi pioneira no enfrentamento da doença no Brasil, tendo coordenado no governo Getúlio Vargas uma das primeiras ações integradas de saúde do país.

+ Notícias

Faça sua doação