SONY DSC

Complexo, Faculdades

FPP realiza ação especial no Dia Mundial da Saúde

Para celebrar a data, OMS propõe uma reflexão sobre a segurança alimentar

Acadêmicos e professores da FPP participaram da ação.
Acadêmicos e professores da FPP participaram da ação.

 

Nesta terça-feira, 7 de abril, Dia Mundial da Saúde, alunos dos cursos de Biomedicina, Enfermagem, Farmácia e Psicologia da Faculdades Pequeno Príncipe participaram do “Dia Saudável”, ação promovida em parceria com a lojas Daju. Eles aferiram pressão e deram orientações sobre alimentação segura e saudável para funcionários e clientes.

De acordo com a aluna Mayara Nascimento Majevski, do 7.º período do curso de Enfermagem, a participação no evento foi muito positiva. “Atender a população contribui para a minha formação acadêmica, vivência pessoal e melhor entendimento da comunidade. É uma atividade muito positiva”, destaca.

Já a Diretora Acadêmica da FPP, Ivete Palmira Sanson Zagonel, explica que a atuação dos acadêmicos em eventos que contam com a presença da comunidade reforça o sentido de responsabilidade social tão buscado pela instituição. “É de suma importância que os nossos acadêmicos possam contribuir com o repasse de informações e com a conscientização da população nos cuidados com a saúde”, enfatiza.

 

Segurança alimentar é tema do Dia Mundial da Saúde em 2015

A Organização Mundial da Saúde faz um alerta importante: em todo mundo, anualmente, cerca de 2 milhões de pessoas morrem após ingerir comida e água contaminadas. De acordo com dados da entidade, em 2010 foram registrados pelo menos 582 milhões de casos de 22 tipos de doenças de origem alimentar, além de  351 mil óbitos associados a esse tipo de problema.

Lideram a lista como principais responsáveis pelos casos  a bactéria salmonella (52 mil mortes), a bactéria E. coli (37 mil mortes) — Escherichia Coli, um tipo de bactéria que habita normalmente o intestino humano e o de alguns animais — e o norovírus (35 mil mortes).

Em nota, a diretora-geral da OMS, Margareth Chan, destacou que a produção de alimentos sofreu um forte processo de industrialização, com distribuição globalizada, e que tais mudanças abrem caminho para a contaminação por bactérias, vírus, parasitas e produtos químicos. “Um problema local de segurança alimentar pode rapidamente se tornar uma emergência de ordem internacional. A investigação de um surto de doença de origem alimentar é muito mais complicada quando uma única embalagem de alimento contém ingredientes de diversos países”, diz.

Ainda de acordo com a OMS, alimentos contaminados podem provocar mais de 200 tipos de doenças, desde diarreia até o câncer. Alguns exemplos de alimentos considerados não-seguros incluem os mal cozidos de origem animal, frutas e vegetais contaminados por fezes e mariscos contendo biotoxinas.

* Com informações do Zero Hora.

+ Notícias

Faça sua doação