DSC_0024

Complexo, Hospital

Doenças fúngicas invasivas são debatidas em palestra no Pequeno Príncipe

O encontro teve como objetivo atualizar e orientar os profissionais da instituição, principalmente os que atendem casos de alta complexidade

DSC_0023

Os fungos, considerados inofensivos há pouco tempo, tornaram-se agressivos e causadores de infecções graves. Somente no Brasil, aproximadamente 4 milhões de pessoas são contaminadas a cada ano. Na maioria dos casos, essas infecções acometem indivíduos com doenças graves e, devido ao diagnóstico tardio, resulta no atraso do início do tratamento adequado.

DSC_0012

Com o objetivo de atualizar e orientar os profissionais, o Hospital Pequeno Príncipe, em parceria com a United Medical, promoveu a palestra com o tema “Desafios no manejo clínico das doenças fúngicas invasivas nos pacientes onco-hematológicos pediátricos”. O encontro foi ministrado pela infectologista pediátrica Fabianne Carlesse, responsável pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar e Controle de Antimicrobianos do Instituto de Oncologia Pediátrica do Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (GRAACC).

“Não me lembro de ter visto um hospital tão grande como esse, além de envolver tantos casos de alta complexidade. A ideia dessa palestra é conseguir trazer cada vez mais esse tema para o universo pediátrico”, pontuou a infectologista. De acordo com ela, as espécies Candida, seguidas do Aspergillus, são as mais comuns e as que mais avançam em pessoas com defesas orgânicas enfraquecidas. Por conta disso, a discussão do tema voltada para o setor de Oncologia, Hematologia e Transplante de Medula Óssea (OHTMO) é tão importante.

DSC_0024

Apesar do aumento do diagnóstico precoce, 12,6 mil novos casos de câncer em crianças e adolescentes de até 19 anos devem ser diagnosticados em 2016 no Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). “Nossos pacientes são os de maior risco. Nós trabalhamos com vários procedimentos e especialidades complexas e que desejam de muita atenção, como oncologia, hematologia e transplantes. Por isso, tivemos a ideia de trazer a especialista: para somar com a nossa experiência. Principalmente para pensarmos em novas alternativas, já que nossos recursos são limitados. Queremos melhorar a cada dia o atendimento aos nossos pacientes”, destacou a coordenadora do serviço de Oncologia e Hematologia do Pequeno Príncipe, a médica Flora Mitie Watanabe.

Ao final da palestra, a infectologista pediátrica Fabianne Carlesse ressaltou: “o mais importante, disso tudo, é que o infectologista e o hemato-oncologista trabalhem juntos. Sempre!”

Cuidados e orientações essenciais

Medidas simples podem ajudar profissionais da saúde a identificar e evitar infecções causadas por fungos:

– Lavar as mãos com mais frequência, antes e depois do contato com pacientes, em especial os expostos a procedimentos médicos invasivos, para evitar a transmissão de fungos que se alojam na pele como Candida parapsilosis.

– Reforçar os cuidados com o manuseio de cateteres e outros dispositivos invasivos usados principalmente em UTI.

– Investigar a possibilidade de origem fúngica das pneumonias de pacientes com defesas reduzidas, submetidos a transplantes de órgãos ou com leucemias.

– Incluir testes para diagnóstico de infecções por fungos na avaliação de pneumonias crônicas.

– Suspeitar que infecções resistentes a antibióticos em pacientes de UTI ou com leucemias por mais de sete dias possam ser causadas por fungos e merecem diagnóstico e tratamento específicos.

– Familiarizar-se com as diretrizes de sociedades médicas para tratamentos de infecções fúngicas (há documentos brasileiros sobre infecções por Candida sp., Paracoccidioides sp. e Cryptococcus sp.) e fortalecer o treinamento prático das equipes de saúde para promover o diagnóstico precoce e o tratamento adequado desses problemas.

– Notificar as autoridades da saúde, como os centros de vigilância epidemiológica, em caso de surtos de infecções causadas por fungos.

Fonte: Laboratórios de Micologia Médica da Unifesp e da UFRJ

+ Notícias

Cissa Guimarães traz alegria e carinho a pacientes e seus familiares

A tarde desse sábado, dia 10, foi bastante movimentada em diversas áreas do Hospital Pequeno Príncipe pela presença de uma artista renomada. Com uma das vozes mais conhecidas da televisão brasileira, Cissa Guimarães trouxe mensagens de esperança e carinho para crianças e adolescentes em tratamento no Pequeno Príncipe e seus familiares. Em todos os corredores […]

Faça sua doação