Complexo, Hospital

Diagnóstico precoce é essencial no tratamento das doenças reumatológicas

Neste Dia Nacional de Luta Contra o Reumatismo, 30 de outubro, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância de detectar as enfermidades com antecedência, para um menor comprometimento da qualidade de vida das crianças e dos adolescentes

A reumatologista Marcia Bandeira atende a atleta paralímpica e ex-paciente do Pequeno Príncipe, Danielle Rauen, diagnosticada ainda na infância com artrite idiopática juvenil.

Engana-se quem pensa que as doenças reumatológicas são exclusivas de adultos. As crianças e os adolescentes, sejam por infecção ou predisposição genética, também estão sujeitos às enfermidades. Devido à falta de informações acerca do tema, muitos pacientes chegam ao médico quando já apresentam sequelas e redução na qualidade de vida. Pensando nisso, neste Dia Nacional de Luta contra o Reumatismo, 30 de outubro, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância do diagnóstico precoce.

Estima-se que existam mais de 200 doenças reumatológicas. Elas acometem os ossos, colágeno e articulações.  Dados demonstram que cerca de 25% dessas enfermidades ocorram em pessoas com menos de 16 anos nos países desenvolvidos. “O reumatismo na infância pode ser decorrente de uma série de fatores, entre eles condições genéticas e inflamações mal tratadas”, explica a reumatologista pediátrica da instituição, Márcia Bandeira.

A observação dos pais e cuidadores no combate ao reumatismo é fundamental. “Em alguns casos, como o reumatismo no sangue – mais conhecido como febre reumática –, as crianças apresentam dores nas grandes juntas (joelho, quadril, tornozelo e cotovelo). Já a artrite idiopática juvenil tem uma condição mais crônica e não é caracterizada por dores agudas. Então, os pais devem estar atentos à movimentação dos meninos e meninas, se eles estão tendo mais dificuldade em correr, por exemplo”, detalha a médica.

Um dos fatores mencionados pela especialista que atrasa o diagnóstico é a mudança de hábitos na infância. “Hoje, os jovens não brincam mais como antigamente e passam muito tempo em casa, nos computadores e videogames. Isso dificulta que os pais notem as alterações de movimentos e faz com que o diagnóstico seja tardio”, destaca.

O tratamento das doenças reumatológicas consiste no uso de medicamentos, acompanhamento fisioterápico e psicoterapêutico. “No Pequeno Príncipe, contamos com uma equipe multidisciplinar para cuidar desses casos. Temos 90% de sucesso no tratamento dessas enfermidades”, afirma a profissional.

+ Notícias

Faça sua doação